Efeitos Biológicos da Radiofrequência

Neste texto, vamos detalhar quais os principais efeitos biológicos da radiofrequência.

Como já referido neste blogue, a radiofrequência trata problemas da pele, nomeadamente, flacidez do rosto ou do corpo, rugas, linhas de expressão, gordura localizada, celulite e estrias.

Para a leitora obter resultados satisfatórios na sua pele, a radiofrequência tem de ter impacto, de variadas formas, na sua pele e no seu desenvolvimento.

Efeitos Biológicos da Radiofrequência

A radiofrequência tem dois tipos de efeitos: térmicos e atérmicos. Os efeitos térmicos são aqueles que representam resultados mais significativos.

Por exemplo, com o uso da radiofrequência, quanto maior for a temperatura maior será a densidade do colagénio e menor a distensibilidade, podendo desta forma, diminuir a flacidez da pele. Este efeito é um efeito térmico e chamado de “Efeito Lifting” da radiofrequência.

Repare que se a radiofrequência tem a capacidade de gerar energia e forte calor sobre calor a camada mais profunda da pele, enquanto que, a camada à superfície se mantém arrefecida e protegida, vai provocar uma contracção de colagénio.

Isto significa que, quando é aplicada energia à epiderme (superfície da pele) ela sente um efeito de arrefecimento, e no sentido contrário, a derme (camada profunda da pele) sente a energia da radiofrequência. Desta forma, cria-se nas camadas mais profundas da pele, uma reacção química que provocará uma retracção da pele.

É importante que a leitora saiba que o estudo do efeito da radiofrequência na pele ainda está a ser estudado e medido. No entanto, é possível verificar que esta prática não trás quaisquer resultados nefastos para a pele. Aliás, muitos dos tratamentos de radiofrequência acabam por ter o nome de noninvasive radiofrequency, que em português significa “radiofrequência não invasiva”.

Comentários recentes...