Radiofrequência no Tratamento de Pele

Existem inúmeros equipamentos de radiofrequência para a aplicação da radiofrequência no tratamento de pele, permitindo às marcas que produzem esses aparelhos, criem algumas especificidades. Essas particularidades podem ser encontradas em muitos manuais da área da radiofrequência, desde que, os profissionais desta cumpram as normas básicas.

Elétrodos Ativos e Passivos

Por exemplo, se o equipamento em causa possuir eléctrodos activos e passivos separados, o ideal é o profissional usar o passivo de forma a que possa equilibrar a área tratada. Num outro caso, se o eléctrodo for metálico, este não necessitará de qualquer substância de acoplamento. Por último, se o eléctrodo for de borracha de carbono, é possível que esta aplicação precise de gel.

Emulsões

É aconselhado de igual forma, ao profissional da área da radiofrequência, que efectue um apoio ao eléctrodo activo completo. Desta forma, este deverá utilizar emulsões com silicone, de preferência que incluía algum hidratante, como por exemplo, aloe vera. assim, poderá diminuir a irritação da pele que poderá ocorrer depois de um tratamento de radiofrequência. Em alguns casos, as emulsões podem até conter cafeína, mas não existe comprovação, ainda, da integridade deste acto com a elevação da temperatura, característico de um tratamento de radiofrequência.

Potência do Equipamento

O profissional desta área deve ainda, regular a potência do equipamento e realizar aplicações do tratamento de radiofrequência  em áreas pequenas, realizando movimentos de duas a três vezes o tamanho do eléctrodo ativo, até este conseguir alcançar a sensação térmica desejada num tratamento de radiofrequência.

Rosto

Nas aplicações da radiofrequência para o rosto, deverá ser realizada uma avaliação, para definir as áreas que se requer o aumento da temperatura de forma a que se possa combater a flacidez. A temperatura utilizada em cada caso irá variar de acordo com essa avaliação inicial.

Deixo ainda um último conselho para a aplicação das técnicas em radiofrequência. É recomendado ao profissional da área que divida a face do seu cliente em partes, no mínimo quatro, para desenvolver todos os processos fisiológicos da retracção dos septos fibrosos, bem como, estimular ao neocolagéneo.

Radiofrequência no Tratamento de Pele

Estas são algumas das técnicas que um bom executante de radiofrequência no tratamento de pele deverá conhecer, garantindo a boa prática e a segurança do seu cliente.

Comentários recentes...